11 de outubro de 2016

FAMÍLIAS DE SALINENSES



O livro Octacilíada: Uma Odisséia do Norte de Minas, autoria de Abdênago Lisboa/Apolo Heringer, possui incríveis imagens antigas de famílias salinenses da primeira metade do século XX. 

A imagem acima é uma raridade de um grupo de salinenses reunidos em uma residência vendo-se o padre Jerônimo Lambin com Clemente Medrado de uma lado e André Fernandes Costa do outro. Ao lado deste está Antônio Corsino. O menino Deusdedit está assentado na cadeira. Dona Salu está ao lado de Dona Lau. Odete está atrás de André Costa. Ao lado dela está Maria Lúcia Brant. À esquerda e à frente de João Costa está Lera, mulher de José Miranda. Severina R. Medrado, filha do Coronel Idalino Ribeiro, está ao lado de Clemente Medrado. Osmany Ribeiro é o menino de mãos cruzadas atrás. Nair Sarmento ao lado de Dona Ciranda. Juraci Costa, atrás de Dona Ciranda. Dr. Djalma Oliveira, atrás de João Costa. Lera de José Miranda ao lado de Dona Ciranda. Dervina Oliveira, atrás de Osmany. Eurípedes de Placidina, ao lado de João Costa. Lindaura Almeida ao lado de Dona Laudelina Chaves Ribeiro. Carlota Chaves junto de Dona Salu, atrás da viga. Maria Lúcia atrás de Antônio Corsino. Dalva Oliveira, filha de Dr. Luiz, perto de Antônio Corsino, com a mão na trave. Aurentina, filha de Miro, ao lado. Zoroastro Medrado é o menino ao lado do Osmany e atrás do Deusdedit.
__________
Fonte da imagem: Abdênago Lisboa/Apolo Heringer.

4 de outubro de 2016

O FERIADO DE SALINAS É UM EQUÍVOCO HISTÓRICO

Por Roberto Carlos Morais Santiago
Brasão de Salinas.

O dia 4 de outubro é feriado municipal em Salinas. A data é comemorada todos os anos como se fosse a data de emancipação política do município. 

Tudo por causa da Lei Municipal nº 1.126, de 2 de agosto de 1985, assinada pelo então prefeito Antônio Carvalho da Silva que sancionou a lei reconhecendo esta data como oficial, ainda em vigor.

O blog História de Salinas já abordou esse assunto. Trata-se do maior equívoco histórico de Salinas que já perdura 31 anos desde que foi sancionada. A referida lei diz:


Art. 1º - Fica instituído feriado municipal o dia 4 de outubro de cada ano, data de emancipação política da cidade.




Na verdade, a emancipação política de Salinas não aconteceu no dia 4 de outubro de 1887.  Deu-se de fato no dia 19 de janeiro de 1883 quando da instalação da 1ª Câmara Municipal de Salinas (quadriênio 1883-1886) que ocorreu na Câmara Municipal da Vila do Rio Pardo sob a presidência do vereador Conrado Gomes Caldeira. 

Neste dia tomaram posse os primeiros vereadores eleitos em face da criação do município de Salinas pela Lei Provincial nº 2.275, de 18 de dezembro de 1880. 

Na posse, os vereadores de Salinas elegeram Antônio dos Anjos da Silva Sobrinho o primeiro presidente da Câmara e, consequentemente, tornou-se no agente-executivo (prefeito) e mandatário político do município. Naquela época o presidente da câmara acumulava o cargo de agente-executivo (prefeito) que governava com o apoio de uma junta de conselheiros.


Assim, de fato e direito, a emancipação política e administrativa de Salinas ocorreu no dia 19 de janeiro de 1883.


Entretanto, o município foi criado no dia 18 de dezembro de 1880 pela Lei Provincial nº 2.275, data mais importante da história de Salina (esta data consta no brasão do município, como pode-se ver acima) e que deveria ser a sua data oficial.

Sugere-se que algum vereador de Salinas com alguma lucidez histórica apresente projeto de lei propondo alteração da data oficial do município para 18 DE DEZEMBRO em respeito ao povo de Salinas que lutou pela criação do município com todas as dificuldades no final do século XIX.


Em rol de 89 municípios que integram a mesorregião Norte de Minas, apenas dez foram criados na época do Império (1822-1889). Salinas é um deles. O município possui história épica digna de registro. Corrigir a sua data oficial e histórica é o primeiro caminho. O povo de Salinas merece mais respeito pela sua história de luta e pioneirismo.